Skip to main content
   
   
Go Search
Visão Contacto
  

Visão Contacto > Posts > Entrevista à C23 Catarina Martinho - "Os destinos mais dececionantes na hora da revelação, podem vir a trazer-vos experiências inesquecíveis, que nunca viveriam noutro lugar"
Entrevista à C23 Catarina Martinho - "Os destinos mais dececionantes na hora da revelação, podem vir a trazer-vos experiências inesquecíveis, que nunca viveriam noutro lugar"
Francisco Vale | C24 | QB (Eupportunity) | Bruxelas, Bélgica
Catarina Martinho Formal
 
Como surge o INOV Contacto na tua vida?
 
Candidatei-me ao INOV Contacto depois de acabar a licenciatura e sem perspetivas do que fazer no mestrado. Queria fazer uma espécie de “gap year” e o INOV pareceu-me a opção perfeita para aliar a vontade de me iniciar no mundo do trabalho, com o desejo de voltar a viver “lá fora”.
 
E quando soubeste que ias para a Bélgica, neste caso Bruxelas, qual foi a primeira coisa que te veio à cabeça? Era um destino que tinhas colocado nas tuas preferências?
 
Tinha colocado Bélgica nas minhas preferências um pouco como “tira-teimas”, porque já me tinha candidatado a outros programas europeus em Bruxelas e não tinha sido aceite. Quando anunciaram que era na Bélgica que iria passar os seis meses seguintes, pensei que só podia ser o destino a dizer-me que a minha vida tinha mesmo de passar por Bruxelas, nem que fosse só por uns meses.
 
Já conhecias a empresa para onde foste?
 
Não conhecia a empresa, mas só trago boas memórias de trabalhar num escritório acolhedor, com pessoas tão diferentes umas das outras, mas que partilhavam uma amizade entre todas.
 
Ficaste com a sensação de que irias gostar da área onde a empresa se inseria?
 
Durante a licenciatura sempre gostei de estudar os mecanismos de decisão da União Europeia e trabalhar na "bolha europeia", por dentro de todas as decisões, sempre foi uma ambição que tive. Fiquei entusiasmada com a perspetiva de trabalhar na Eupportunity e as expetativas não saíram defraudadas.
 
No aspeto mais logístico, foi fácil encontrar casa em Bruxelas? Optaste por ficar sozinha ou com outras pessoas? Conta-nos um pouco sobre esse processo sempre difícil.
 
O que era provavelmente uma das minhas maiores preocupações acabou por ser bastante fácil. Criámos um grupo de estagiários em Bruxelas no Whatsapp e rapidamente marcámos várias visitas a apartamentos (um bom conselho é nunca arrendar sem antes visitar o espaço pessoalmente!).
 
Na primeira semana ficámos num Airbnb e visitámos casas nas horas de almoço ou depois do trabalho. Logo na primeira visita adorámos o apartamento e felizmente a agente imobiliária também gostou de nós! No espaço de poucos dias já estávamos instalados na nossa nova casa. Vivi com outros dois estagiários do INOV, o que foi ótimo para partilhar experiências e criar uma pequena comunidade portuguesa em Bruxelas.
 
Uma vez instalada, quais foram os primeiros sítios que tinhas curiosidade de conhecer em Bruxelas?
 
A Bélgica era dos poucos países que nunca tinha visitado na Europa e estava ansiosa para conhecer tudo. Em Bruxelas queria conhecer a icónica Grand Place e estava particularmente entusiasmada por visitar Bruges (que se tornou dos meus sítios preferidos).
 
Procuraste estabelecer contacto com outros INOV's que já tivessem estado na Bélgica ou que se encontrassem na mesma situação que tu?
 
Tive a sorte de trabalhar diretamente com dois ex-INOV's, que já tinham estado na mesma posição que eu. Acabei por conhecer, através de amigos de amigos, uma grande comunidade de estagiários portugueses em Bruxelas, o que foi ótimo para ir matando as saudades de casa.
 
Conta-nos como foi o teu primeiro dia de trabalho.
 
O primeiro dia de trabalho foi uma roda viva, conhecer pessoas novas, perceber como funcionava a empresa e quais as novas tarefas para cumprir. Subestimei o frio de Bruxelas e fui mal agasalhada para o primeiro dia de trabalho, mas rapidamente tirei os casacos de inverno da mala de viagem, a primavera de Bruxelas não é nada como a lisboeta.
 
O espírito e modo de trabalhar da empresa foi de encontro ao que esperavas?
 
Trabalhar na Eupportunity foi bastante mais descontraído do que esperava, não senti que estava num escritório demasiado formal ou distante, trabalhávamos todos com bastante proximidade, num ambiente informal e de conversa.
 
O que aprendeste em termos de skills úteis para o mercado de trabalho?
 
Aprendi a organizar melhor o meu tempo e a definir prioridades. Também percebi a importância de tomar iniciativa e de não fazer apenas o que nos é pedido.
 
De que forma o programa mudou a tua network de contactos internacionais?
 
O INOV Contacto enriqueceu bastante a minha rede de contactos, no geral. Muitos dos amigos que fiz continuam na Bélgica e outros partiram para novos destinos. O mais interessante de Bruxelas é que parece juntar, num só sítio, todas as pessoas que têm vontade de correr mundo e descobrir coisas novas. Tive a sorte de poder conviver com essas pessoas e estabelecer contactos internacionais.
 
Regressaste a Portugal para tirar um Mestrado, pensas regressar a uma carreira internacional?
 
Embora adore Portugal, gostava de voltar a trabalhar no estrangeiro, quem sabe em Bruxelas, ou em destinos mais longínquos e desconhecidos.
 
A nível pessoal, sentes que voltaste para Portugal outra Catarina?
 
Sem dúvida que voltei uma pessoa diferente, mais preparada, mais responsável e mais organizada. Voltei para Portugal com uma ética de trabalho melhorada e com vontade de continuar a explorar o mundo.
 
Quais foram as maiores dificuldades? Calculo que viver num país com 3 línguas oficiais não seja fácil!
 
A comunicação com os belgas foi, por vezes, difícil. Às vezes falava em inglês e respondiam-me em francês, outras vezes tentava comunicar em francês e respondiam-me em inglês. O mais difícil foi, sem dúvida, sentir-me desenraizada da minha cultura mas, o mais interessante foi perceber que em Bruxelas existiam várias culturas misturadas numa enorme cultura belga.
 
Voltando à cidade em si, passados 6 meses, já a conhecias bastante bem? Já tinhas os teus sítios favoritos?
 
Apesar de viver em Lisboa há mais de vinte anos e só ter vivido na Bélgica seis meses, sinto que conheço Bruxelas melhor do que a minha cidade natal. Andava sempre a pé, raramente de transportes públicos ou de carro e acho que isso ajudou bastante a que conhecesse melhor a cidade. Tenho saudades de tardes passadas num dos imensos parques da cidade (principalmente do Botanique, o meu parque preferido) e das noites passadas na Place du Luxembourg (ou melhor, na Plux). Também tenho saudades dos meus restaurantes asiáticos preferidos e dos bagels que tantas vezes comia na hora de almoço, no trabalho.
 
O que dirias a alguém para justificar a vinda para Bruxelas?
 
Bruxelas estranha-se mas depois entranha-se. O choque inicial, ao ver uma cidade fria, chuvosa e cinzenta não é fácil, mas viver na "bolha europeia" é um privilégio e a minha recomendação para qualquer pessoa que esteja prestes a embarcar nessa aventura é que aproveite ao máximo o que a cidade tem para dar!
 
Estando tu no meio da Europa, as viagens devem ter sido muitas, conta-nos um pouco sobre elas.
 
Foi ótimo estar num país tão central e com acesso a tantos lugares incríveis. Passear, dentro e fora da Bélgica foi, sem dúvida, um dos destaques do meu tempo no INOV Contacto.
 
Agora, em retrospetiva, o que dirias a alguém que se estivesse a inscrever no programa INOV Contacto?
 
Inscrevam-se de mente aberta e prontos para a pôr a mala às costas, para descobrir uma nova aventura. Os destinos mais dececionantes na hora da revelação, podem vir a trazer-vos experiências inesquecíveis, que nunca viveriam noutro lugar. Aproveitem ao máximo e não deixem nada por fazer! No início, seis meses parece muito tempo, mas quando chegarem ao final vão aperceber-se que passou num piscar de olhos.
 
Para finalizar, atualmente estás a realizar um mestrado. Fala-nos das tuas perspetivas e do porquê dessa opção.
 
No final da minha licenciatura, tive a disciplina de Políticas Públicas, o que me fez despertar um maior interesse por essa área. Julgo também complementar os conhecimentos adquiridos na minha licenciatura, de forma a explorar mais a vertente económica e empresarial. Pretendo prosseguir a minha carreira no estrangeiro, onde julgo existirem oportunidades mais interessantes e cativantes para mim, particularmente na minha área.
 
Muito obrigado pela partilha do teu testemunho Catarina!
 
Imagem de destaque cedida pela Catarina Martinho (entrevistada).
 
Share on Facebook
Created By: Francisco Belo Falcão Lucas do Vale
Published: 28-07-2020 16:54

Comments

There are no comments yet for this post.

 ‭(Hidden)‬ Content Editor Web Part ‭[2]‬

Visão Contacto